Anáfora

Anáfora também é uma figura de linguagem, ela faz parte da figura de construção ou figura de sintaxe e pode ser entendida através de seu conceito, etimologia e por meio dos exemplos para trazer mais clareza sobre o assunto.

É importante ter a base de conhecimento sobre as figuras de linguagem ou figuras de estilo, boa parte delas é usada em nosso cotidiano.

Anáfora Origem

Assim como as demais figuras de linguagem, a Anáfora também deve ser entendida desde sua origem que vem do grego, temos assim uma separação da palavra para maior entendimento, sendo o “ana” o prefixo, que em sua tradução pode ser entendida compreendida como “repetição”.

A palavra “phéro”, pode ser entendida como verbo e terá o seu significado por meio de “suportar”, “Manter”.

Assim podemos partir para o conceito de Anáfora.

Anáfora Conceito

Essa é uma figura que a princípio podemos chama-la de figura da repetição na estrutura gramatical. Ela vai acontecer por meio de uma palavra ou com uma variação sucessiva de repetições de uma palavra, oração, versos ou mesmo períodos.

Exemplo:

Se você gemesse

Se você tocasse…

Se você dormisse.

É uma passagem do trecho de um verso do autor Carlos Drummond de Andrade, nela é possível encontra que é uma frase poética, e que existe a repetição.

Exemplo:

Eu quero Amor!

Eu quero Alegria!

Eu quero calor!

Eu quero fantasia!

O conceito de Anáfora também pode se dá quando dizemos que, essa é uma figura de linguagem que por meio do uso consciente de quem vai empregar a palavra ou a expressão usará a repetição com a intenção de reforçar o seu sentido final.

Exemplos:

É pau, é pedra, é o fim do caminho

É um resto de toco, é um pouco sozinho

É um caco de vidro, é a vida, é o sol

É a noite, é a morte, é o laço, é o anzol…

Esse é um trecho da música Águas de Março composta e interpretada pelo Tom Jobim em parceria com Elis Regina, dessa forma é notável que encontre assim o uso repetitivo do “É’, assim foi feito o uso consciente para causar sentido no que deseja.


Veja os demais exemplos que você pode encontrar com as orações de Anáfora.

“Que ninguém mais merece tanto amor e amizade,

Que ninguém mais deseja tanto poesia e sinceridade,

Que ninguém mais precisa tanto de alegria e serenidade’.

“João que amava Teresa que amava Raimundo

que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili

que não amava ninguém…” Trecho de Carlos Drummond de Andrade

Também aprenda: